Google+ JULIO MACHADO: 06/01/2017

6 de janeiro de 2017

Entre olhares

Eles tinham um jeito tão particular de olhar um para o outro que as palavras eram esquecidas no silêncio e no sorriso em cada rosto.
Esse era o mais sincero cortejo feito pelos dois, se amavam até mesmo quando não havia um toque ou algo mais depois.
E assim muitos encontram o amor em um simples momento, nessa forma de amar que ficou esquecida no tempo.
Eles não tinham um corpo escultural mas isso não seria a grande atração no final.
Eles amavam o olhar que afaga e acalma, o olhar de quem faz cafuné na alma.

Pensador